sábado, 8 de outubro de 2016

MINHA CONFISSÃO - Poesia Evangélica: "De vez em quando, Desnudo a vida. Quando a chuva desliza, Descendo a subida. E o agudo espasmo machuca, No sopro da telha que geme. Batendo a janela que escuta, No vidro escorrido que treme..."



MINHA CONFISSÃO
                                     Renato Moura

De vez em quando,
Desnudo a vida.
Quando a chuva desliza,
Descendo a subida.

E o agudo espasmo machuca,
No sopro da telha que geme.
Batendo a janela que escuta,
No vidro escorrido que treme.

Por que se desfaz a desdita,
Em copioso pranto por mim?
Não fora eu a lamúria
Do infausto terrível no fim?

Ou foi a insônia sombria,
Daquela dura cama cinzenta
Que faz as noites mais frias,
Faltar-me o véu que acalenta?

Resigno-me pela manhã,
Ante a profusa luz que brilha.
Quando eu voltar, voltarei no afã,
De palmilhar de vez nova trilha.

Disse Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida;
ninguém vem ao Pai senão por mim (Jo 14.6)

© R. Moura – Publicação livre – se indicado o autor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O seu comentário sobre essa matéria será bem recebido.