segunda-feira, 19 de abril de 2010

COMO ANDAM OS CRISTÃOS? Será que é possível detectar alguma diferença no "andar" do cristão e de outra pessoa que professa uma fé diferente?


ULTIMAMENTE
Bem pouca coisa tem sido notada como fator de diferenciação entre os cristãos e outras pessoas quaisquer. 
Talvez se fizermos uso de uma lupa, quem sabe com algum esforço e muito boa vontade, possamos distinguir, pelo menos, algum vestígio de diferença entre um e outro grupo.
Quando faço uso o verbo andar, não estou me referindo só ao movimento de transporte mecânico do corpo físico. Estou me referindo a um andar que vai muito mais além, porque tem o objetivo de comparar o "modus vivendis" desses indivíduos que são chamados de cristãos. Pois, com essa distinção, temos que entender que eles são (ou deveriam ser), parecidos com Cristo.
Não é admissível que as concessões necessárias ao conceito de uma política de boa vizinhança, permitam e abram oportunidades para um tráfego sem regras, a um caminho amplo que leva a uma porta larga. 
O povo de Deus deve obediência em primeiro lugar a Ele. A Bíblia Sagrada  é a bula que nos dá a direção para onde devemos firmar o nosso andar.
ANDAR NA VISÃO DO APÓSTOLO
Para elucidarmos qualquer dúvida a respeito da concepção da igreja primitiva, vamos ler um  trecho da carta do apóstolo Paulo...  
Rm 12.2 - Não vos conformeis com este mundo, mas  transformai-vos pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus.
Não dá para ignorar que a exortação de Paulo, serve também para a igreja do tempo presente.
Todos aqueles que se dizem cristãos tem (ou deveriam ter), uma maneira diferente de portar-se diante das circunstâncias da vida. Espera-se que essas pessoas manifestem no rosto uma expressão de benevolência e tolerância nos encontros e desencontros em que forem protagonistas.
A honestidade, moral elevada, o altruismo, regados com a mais sublime das virtudes, que é o amor, deve sobejar como característica cristã, na comparação que a sociedade faz com os componentes das outras crenças.
É vergonhoso o que tem sido retratado nos meios de comunicação de massa do nosso país: funcionários públicos e empresários se corrompendo e sendo corrompidos. Descaradamente recebem suborno, recheando malas, cuecas, bolsos e meias. E se isso não bastasse, se faz um arremedo de oração, como se Deus se prestasse a ouvir e aprovar tamanho disparate ignomioso. E, para lembrar o  quê quer dizer esse adjetivo, aponto uma pequena relação do seu significado: Impudico; Imoral; Tratante; Velhaco; Perverso; Infiel; Animal ; Safado; Podre; Falsificador; Fraudador; Grosseiro; Enganador;  Injusto; Corrupto... E tem muito mais ainda...
Felizmente, esse tipo de gente dentro e fora das igrejas, corresponde e são uma minoria. Mas, uma minoria tão baixa e tão vazia de escrúpulos que, com pechas infâmes maculam o bom nome dos cristãos verdadeiros.
Entretanto, essa gente não nasceu assim. Certamente, num momento no caminhar na vida, não colocaram sentido e atenção no versículo bíblico que diz:  
Um abismo chama outro abismo (Salmo 42.7).
Dessa forma, houve a primeira queda; as outras vieram pela falta de vergonha e pelo efeito da ação contínua.

NOS PASSOS DE CRISTO
Por isso, povo de Deus - cuidemos para não tropeçarmos em nosso andar. Que tenhamos passos firmes e seguros, sempre firmados na rocha eterna que é Cristo Jesus, nosso Senhor.
Que  todos os dias ao sairmos de nossas casas, antes de darmos o primeiro passo fora das nossas portas, olhemos para o nosso Mestre e Senhor, e tomemos como nosso exemplo a sublime figura da Sua presença.
Assim, e só assim, o nosso andar será diferente das demais pessoas, mesmo que elas tenham uma boa índole. E será extremamente diferente daqueles que se deixam levar pela adulteração, engano e a ganância despudorada; falsos irmãos que perderam o rumo e andam manchando o bom nome do qual Cristo nos fez herdeiros.
Para que, sendo justificados pela sua graça, sejamos feitos herdeiros segundo a esperança da vida eterna. Fiel é a palavra, e isto quero que deveras afirmes, para que os que crêem em Deus procurem aplicar-se às boas obras; estas coisas são boas e proveitosas aos homens (Tito 3.7,8).
Que os  filhos de Deus saibam como devam andar e aonde andar. Que os olhos saibam aonde devam olhar; Que os lábios se apliquem em abençoar os necessitados; Que as mãos peguem  só o que é de sua propriedade e que em tudo sejam simbolos da justiça.
Os que se portarem da maneira correta serão abençoados, segundo as promessas de Cristo (Mc 10.30), receberão nessa vida cem vezes mais e na outra a vida eterna.
Andemos, pois, como Cristo andou, para termos direito às suas benesses e para sermos vistos como modelos aos demais.
Aquele que leva a preciosa semente, andando e chorando, voltará, sem dúvida, com alegria, trazendo consigo os seus molhos (Salmo 126.6).


Pastor Renato Moura

A ESPERANÇA DA IGREJA - A perspectiva da exploração petrolífera do pré-sal no litoral brasileiro, enche-nos de esperança de, num futuro bem próximo, alcançarmos melhores condições de vida para toda a população do nosso país.




A perspectiva da exploração petrolífera do pré-sal no litoral brasileiro, enche-nos de esperança de, num futuro bem próximo, alcançarmos melhores condições de vida para toda a população do nosso país. 

ESPERANÇA
Quando se fala de esperança é preciso aclarar o sentido do termo. Para isso qualquer dicionário da nossa língua pode nos ajudar. Eu consultei o meu, lá pude ler:
Esperança - s.f. (substantivo feminino) 1. Expectativa de algo que se deseja; 2. Objeto dessa espera; 3. Espera de realização de algum evento ou fato; 4. Fé, certeza e confiança.
Esperança é um sentimento da alma, que leva a pessoa a perseverar com expectativa e fé, por alguma coisa ou fato benfazejo. Isto é, algo saudável, conveniente, proveitoso e que trará para a pessoa esperançosa um misto de alegria, paz e felicidade.

IGREJA
Com relação à palavra “igreja”, que vem do termo latino ecclesia, derivado do grego ekklesia, o qual significa: assembleia de chamados para fora. Acredito não ser necessário buscarmos agora todas as minúcias da expressão. Lembrando somente que ela aparece apenas no evangelho que traz o nome de Mateus. E ali, só por 3 vezes; sendo uma delas onde Jesus fala:
Pois também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela (Mt 16.18).
As duas outras ocorrências do termo se encontram adiante, quando o Mestre ensina a respeito do irmão de dupla personalidade, o qual deveria ser admoestado primeiramente em particular, depois na presença de testemunhas e por último...    
Se não as escutar, dize-o à igreja; e, se também não escutar a igreja, considera-o como um gentio e publicano (Mt 18.17).
Com o crescimento da fé em Cristo, o termo “igreja” passou a ser muito mais utilizado em todo o restante do Novo Testamento; e aparece por exatamente 144 vezes com o significado teológico apropriado.

CRESCIMENTO
Jesus – depois da sua morte e ressurreição, determinou aos discípulos a busca da capacitação (batismo) no Espírito Santo; fundamentando dessa forma, os rumos e as diretrizes para a Sua igreja.
E eis que sobre vós envio a promessa de meu Pai; ficai, porém, na cidade de Jerusalém, até que do alto sejais revestidos de poder (Lc 24.49).
Com a regularidade das reuniões dos primeiros crentes, após um período de crescimento ou maturação entre os judeus helenistas, finalmente, a igreja por meio dos seus seguidores que já atendiam pelo novo nome, começa a se estabelecer em vários lugares do mundo gentílico.
E sucedeu que todo um ano se reuniram naquela igreja, e ensinaram muita gente; e em Antioquia foram os discípulos, pela primeira vez, chamados cristãos  (At 11.26).

ATUALIDADE
Como os demais membros da sociedade, tendo as mesmas obrigações e direitos dos demais brasileiros, chegamos ao ano de 2010. Sentimo-nos esperançosos de que, enfim, o Brasil desperte do seu berço esplendido e entre de uma vez no contexto das nações mais desenvolvidas e coerentes do planeta. (coerentes?!)
Entretanto, como cristãos, lembramo-nos das palavras dos anjos por ocasião da ascensão do Cristo ressuscitado:
Varões galileus, por que estais olhando para o céu? Esse Jesus, que dentre vós foi recebido em cima no céu, há de vir assim como para o céu o vistes ir (At 1.11).
Então, com os nossos corações sensibilizados, mais voltados às coisas de cima que são eternas e não transitórias, como as da terra (Cl 3.2); rememoramos o hino 300 da nossa “Harpa Cristã”:  
Nossa esperança é Sua vinda. O Rei dos reis vem nos buscar. Nós aguardamos Jesus ainda. “Te” a luz da manhã raiar. Aleluia!
A volta de Jesus continua sendo a nossa maior esperança!

Pr. Renato Moura: conferencista, articulista, cantor, compositor, escritor, teólogo,
pedagogo,  professor no SETAD - Seminário Teológico Assembleia de Deus no Ipiranga.
brother.moura@yahoo.com.br
Matéria publicada na edição abril/maio de 2010, do jornal “Divulgador da Verdade” – Órgão oficial do campo eclesiástico da Assembleia de Deus no Ipiranga.