sexta-feira, 18 de maio de 2012

MODUS VIVENDI - Porventura andarão dois juntos, se não estiverem de acordo? (Amós 3.3).



Segui a paz com todos, e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor (Hb 12.14).

"Modus" quer dizer modo, maneira, atitude, caráter; "Vivendi" quer dizer viver juntas. "Modus vivendi" é uma frase em latim que significa um acordo entre partes cujas opiniões diferem, de tal maneira que elas concordam em discordar.
"MODUS VIVENDI" indica uma adaptação na disputa entre partes para se permitirem vida em conjunto.

QUEM ESCREVEU A ESPISTOLA AO HEBREUS?
Os estudiosos não conhecem com exatidão quem escreveu a carta aos “Hebreus”, nem tão pouco, quem seria seu destinatário. Também não há um consenso quanto a data em que ela foi escrita, entretanto, presume-se que a missiva teria sido escrita após o ano 67; ano esse tido como o ano do falecimento do apóstolo Paulo. O que se sabe com segurança é que ela já circulava antes do ano 90, pois Clemente, o presbítero de Roma, a mencionou quando ele próprio escreveu sua carta à igreja sediada em Corinto no ano 97 da era Cristã.

A PREEMINÊNCIA DE CRISTO
Embora não saibamos com exatidão quem escreveu a “Epistola aos Hebreus”, vemos com clareza que o autor reconhecia e procurava fazer com que reconhecessem Jesus Cristo com Seu atributo de superioridade suprema. Assim ele apontou Jesus como superior a Arão, Moisés, Josué, e superior até mesmo aos anjos: ...E todos os anjos de Deus o adorem (Hb 1.6).
Muitos que afirmam fazerem parte do rebanho de Cristo, dizem aceitar a supremacia do Senhor. Porém, ignoram as suas diretrizes e não poucas vezes recusam-se as seguir suas determinações, porque entendem que em certos aspectos é possível afastarem-se daquilo que está escrito.
Há um aforismo que eu avalio como muito interessante:
As ovelhas de Cristo são marcadas na orelha e na pata; elas ouvem sua voz e o seguem. Martinho Lutero.

APOSTASIA
Quando o referido autor da carta aos “Hebreus” dissertava sobre a “apostasia”, a qual, é definida como afastamento da fé cristã primitiva, e, nesse caso, retorno às praticas errôneas do passado, ele advertiu veementemente que os fiéis deveriam buscar a santificação como algo imprescindível, como visto no primeiro versículo acima. Daí, a sua exortação para que eles almejassem, buscassem e seguissem essa virtude com todo zelo.
Essa mesma direção teológica também foi explicitada pelo apóstolo Pedro em seus ensinos, quando enfatizou:
Mas, como é santo aquele que vos chamou, sede vós também santos em toda a vossa maneira de viver. Porquanto está escrito: Sede santos, porque eu sou santo (IPe 1.15,16).
Praticar a “apostasia”, a meu ver, em primeiro plano significa abandonar a característica da santidade recomendada pelos apóstolos e pelos pais da igreja. E sabemos que, o primeiro passo para a instalação desse deslize espiritual, é adotar a pratica do desamor entre os irmãos. E, quando é sofrida essa falta de afeto na comunidade, se não houver imediatamente o devido reparo e recondução aos parâmetros bíblicos, em pouco tempo a gangrena atingirá os envolvidos nesse ato. Logo haverá infecção generalizada e os prejuízos à saúde do corpo todo será constatada, visto que desvalorizaram à determinação do Mestre que disse:
O meu mandamento é este: Que vos ameis uns aos outros, assim como eu vos amei (Jo 15.12).

A PALAVRA DE ORDEM É CUIDADO
Meus irmãos! Antes de ofenderem a honra de alguém, coloquem a questão com todo o temor diante do Pai celestial. Nada de sair pelas ruas arvorando a sua justiça aos quatro ventos como se fosse uma verdade incontestável; agindo assim, talvez você esteja levando à morte uma alma valiosa aos olhos de Deus. Além do mais, Jesus é o caminho, a verdade e a vida! E, se você der um copo de água fria a uma pessoa que está com sede, (talvez até pelo calor das pressões psicológicas travadas com os falsos irmãos), esse seu ato será reputado diante do amor divinal, como se você tivesse servido água ao próprio Cristo! Você já leu isso na Bíblia? Ainda não? Então leia:
E qualquer que tiver dado só que seja um copo de água fria a um destes pequenos, em nome de discípulo, em verdade vos digo que de modo algum perderá o seu galardão (Mt 10.42).

A INCOERÊNCIA DA EVANGELIZAÇÃO
É intrigante o que ocorre na maioria dos conglomerados cristãos: primeiro vê-se uma corrida desenfreada parra ganhar uma alma para Cristo; argumentam sobre “a palavra” e fazem visitas, oram e ajudam financeiramente, psicologicamente e até com serviços voluntários. Apresentam à pessoa uma religião aparentemente eficaz. Assim, esse alguém acredita que encontrou, de fato, a família de Deus, e reconhece que precisa do Senhor Jesus como seu Salvador. Até aqui, "maravilha"! Então, se consegue conduzir essa vida através do discipulado, ao batismo e à membresia. É despois disso que aparecem os "problemas!" Logo despertam os próprios que evangelizaram aquela vida ou os do contra,  e começam a vigiá-la e acusá-la por eventuais descuidos que a eventualmente venha a cometer. 
Assim, há, admitam ou não, a prática de um escárnio contra Deus e à Sua palavra. E nada passa despercebido aos olhos Daquele com quem todos nós havemos de tratar.
Isso é muito sério! Mais cedo ou mais tarde haverá o cumprimento da lei da semeadura e se sabe que Ele zela por Sua palavra, para a cumprir!  
Não erreis: Deus não se deixa escarnecer; porque tudo o que o homem semear, isso também ceifará (Gl 6.7).

SECULARIZAÇÃO
Secularizar. v.t. Ato ou efeito de tornar ou tornar-se secular, de tirar ou perder o caráter religioso. E o que mais vemos hoje? A chamada “secularização” na igreja, que em suma é demonstrada pela falta de ética entre os irmãos. E não estou só me referindo aos membros de uma determinada denominação. É lamentável, mas o que vemos é uma disputa generalizada por posição, status e títulos. Isso, de certa forma engrandece o homem sim, mas somente diante do poder financeiro, do poder da mídia e até diante do poder político. Entretanto, diante da veracidade da “Palavra de Deus”, essas contendas mantidas por quaisquer que sejam os motivos tornam-se abominação contra Deus. E, abominar é detestar, execrar, odiar. Quando lemos na Bíblia que Deus aborrece e abomina algumas coisas, é extremamente necessário que nos coloquemos em atenta vigilância para não nos tornarmos réus de tais delitos. Assim, eu e você devemos evitar com todo o esforço possível praticarmos abominação contra os desígnios do Criador, o que resumidamente significa por em risco a vida aqui e que é mais arriscado, no além também.
Seis coisas que o Senhor aborrece, e a sétima a sua alma abomina: olhos altivos, língua mentirosa, mãos que derramam sangue inocente, coração que trama projetos iníquos, pés que se apressam a correr para a mal, testemunha falsa que profere mentiras e o que semeia contendas entre irmão (Pv 6.16-19).

PRESSA E RIGIDEZ ACENTUADA
Você não acha estranho que há sempre pressa e rigidez em se aplicar a confrontação a alguém, especialmente quando essa pessoa não é a gente mesmo, e nem nosso parente?
Assim falou o Senhor dos Exércitos, dizendo: Executai juízo verdadeiro, mostrai piedade e misericórdia cada um para com seu irmão (Zc 7.9).
É claro que devemos enaltecer os ditames da “Escritura Sagrada”, porém, mais importante do que elogiá-la, o que se deve fazer é viver os ensinamentos da Bíblia!
Talvez você esteja pensando com seus botões: mas tem coisas que não dá mesmo; é preciso tomar uma providência!
Sim! É justo! Mas, em primeira mão, você deve se perguntar: essa atitude compete a minha pessoa fazê-lo?
Em segunda: será que não vou direcionar aquela alma para o abismo?
E em terceiro lugar: eu estarei exercendo a misericórdia?
Disse Jesus: Ide, porém, e aprendei o que significa: Misericórdia quero, e não sacrifício. Porque eu não vim a chamar os justos, mas os pecadores, ao arrependimento (Mt 9.13).

E também o sábio Salomão assim se expressou:
Não sejas demasiadamente justo, nem demasiadamente sábio; por que te destruirias a ti mesmo? Não sejas demasiadamente ímpio, nem sejas louco; por que morrerias fora de teu tempo? Bom é que retenhas isto, e também daquilo não retires a tua mão; porque quem teme a Deus escapa de tudo isso (Ec 7.16-18).

"MODUS VIVENDI" NA PRÁTICA
Porventura andarão dois juntos, se não estiverem de acordo?  (Amós 3.3).
Lembre-se que “modus vivendi” quer dizer concordar em discordar com a opinião dos outros, o que numa linguagem mais comum seria: exercer a política da boa vizinhança! E não venha com aquela velha e bolorenta desculpa: “isso não é bíblico”.
Veja o que Paulo, o apóstolo dos gentios,  escreveu:
Rogo-vos, pois, eu, o preso do Senhor, que andeis como é digno da vocação com que fostes chamados. Com toda a humildade e mansidão, com longanimidade, suportando-vos uns aos outros em amor, procurando guardar a unidade do Espírito pelo vínculo da paz (Ef 4.1-3).

Quantos titubeantes mudaram suas ações após um sermão. E você, está esperando o quê? 
Que Deus nos abençoe!
                                                        Pastor Renato Moura - 100625