sábado, 29 de janeiro de 2011

VESTIDO VERMELHO - Nem bem amanheceu, ele saiu. Em pouco tempo “Cisso” já desaparecia na curva do estradão. Levava consigo, no bolso da calça sofrida...

Nem bem amanheceu, ele saiu. Em pouco tempo “Cisso” já desaparecia na curva do estradão.
Levava consigo, no bolso da calça sofrida e desgastada pelo uso, apenas o minguado salário do mês que ele recebeu pelo serviço na frente de trabalho do governo.
Vestia uma camiseta ganha num comício da eleição passada, a qual, ironicamente fazia menção do candidato com a frase: “Solução para o Sertão”. 
Na cabeça o antigo chapéu de couro cru que ele mesmo fez, quando ainda era jovem. Além do chapéu, ele também levava na cabeça um monte de idéias que lhe pipocavam o juízo. Em seus pés, aquela surrada chinela de dedo, que ele nem lembrava se fora presente, ou se era comprada no armazém do “turco”.
Quanto mais pensava na escolha que ele teria que fazer quando chegasse ao destino, mais crescia a ansiedade. Tamanho descontrole, lhe fazia apertar o passo, empoeirando de vez os seus pés na secura da estrada. 
Ele precisou de um esforço extraordinário para somente andar depressa, e não disparar numa corrida desenfreada; como, quando menino, ele disputava com os colegas, quem chegaria primeiro no açude, naqueles bons tempos de inverno, quando ainda havia água para banhar-se e nadar. Agora estava tudo seco; até o açude rachou.
Normalmente ele gastava no percurso entre 45 e 55 minutos de caminhada. Mas daquele jeito, com aquela rapidez, certamente, não levaria mais de 30 minutos para chegar. Não demorou muito e o suor já lhe pingava pelo rosto. O sol, sem que ele percebesse, de repente duplicara a quentura.
Ele sentiu primeiro uma “turvidez” nas vistas, e depois umas tonteiras de prumo. Parecia que nem sentia as pernas direito; estavam leves... Leves demais!
Ainda deu tempo de chegar até a sombra de um pé de pau, e ali ele foi obrigado parar um pouco, para refazer o sentido e não desmaiar.
Não havia recobrado as forças por completo, mas, encorajado pela intenção, empenhou todo o esforço e prosseguiu a sua caminhada com determinação. Valeu a pena!
Enquanto o senhor Ezequiel abria as portas, ela já entrava no principal comércio da vila.
― Dia, seu “Izequiel”! ele cumprimentou o vendeiro.
― “Bum dia, lhe”. Respondeu o comerciante. E completou perguntando o quê ele tinha ido comprar, ainda tão cedo. Porque não era ainda, nem 7 horas da manhã.
― Vim “busca” umas “coisinha”... Mas quero levar principalmente uns 3 metros de pano, dos “bão, “pra mó de que, fazê um vestido pro meu amô”
― Vem cá, vou te “mustra” coisa boa e “bunita” que chego a “suemana bassada” da “capitall”. Que cor que “a ucê qué”?
― “Vermeio seu “Iziquiel”! Eu quero “Vermeio pruquê  vermeio é a cô” da minha paixão!

O tempo passou...

Nesses dias quando eu cavalgava de manhãzinha pelo estradão, pude ouvir a voz triste do “Cisso” dentro do seu casebre. Ele estava cantando:

Hoje ao abrir o armário eu encontrei.
Aquele vestido “vermeio”
Que “se isqueceu”.
E vendo ali tão “bunito”.
O tecido que eu mesmo comprei.
Deu saudade, abracei o teu vestido
E então eu chorei...

Ainda escutando a cantiga chorosa do “Cisso”, me lembrei de um texto escrito por Salomão no livro dos Provérbios:

Porque os lábios da mulher estranha destilam favos de mel, e o seu paladar é mais suave do que o azeite. Mas o seu fim é amargoso como o absinto, agudo como a espada de dois gumes (Pv 5.3,4).

E fiquei pensando: será que a ex-companheira desse coitado era estranha para ele? 
Sabe que aquilo me intrigou?
E pelo sim, pelo não, entendi que ela era sim.
Porque, quem pode dizer conhece uma pessoa? que conhece mesmo!?
Ninguém! Só Deus!


Os olhos do Senhor estão em todo lugar, contemplando os maus e os bons (Pv 15.3).

Só Deus conhece as mulheres... E os homens também!!!

Pastor Renato Moura

OBTENHA NESTE DIA - Paz - Harmonia - Afeto - Gratidão - Realizações - Prosperidade - Alegria - Sabedoria - Inspiração

Que ainda neste dia você obtenha:
Paz;
Harmonia;
Afeto;
Gratidão;
Realizações;
Prosperidade;
Alegria;
Sabedoria;
Inspiração
Força;
                                          Companheirismo;
             Solidariedade;
             Entusiasmo;
             Justiça;
             Consideração;
             Perseverança;
             Paciência;
             Compreensão;
             Segurança;
             Satisfação;
             Saúde;
             Carinho;
             Perdão;
             Felicidade e amor – da parte de Deus!

            E, especialmente, que você saiba colaborar para 
            que outras pessoas recebam o mesmo!

Disse Jesus:
Um novo mandamento vos dou: Que vos ameis uns aos outros; como eu vos amei a vós, que também vós uns aos outros vos ameis (João 13.34).

                                                                    Pastor Renato Moura

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

LENDA ÁRABE - Dois amigos viajavam pelo deserto e em um determinado ponto da viagem...


Diz uma linda lenda árabe que dois
amigos viajavam pelo deserto e em
um determinado ponto da viagem
discutiram.
O amigo ofendido, sem nada dizer,
escreveu na areia:

HOJE, MEU MELHOR AMIGO
ME BATEU NO ROSTO.

Seguiram e chegaram a um oásis
onde resolveram banhar-se.
O que havia sido esbofeteado
começou a afogar-se sendo, então,
salvo pelo amigo.
Ao recuperar-se pegou um estilete
e escreveu numa pedra:

HOJE, MEU MELHOR AMIGO
SALVOU-ME A VIDA.

Intrigado, o amigo perguntou:

Por que depois que te bati,
você escreveu na areia e agora
que te salvei, escrevestes na pedra?

Sorrindo, o outro amigo respondeu:

Quando um grande amigo nos
ofende, devemos escrever na
areia, onde o vento do esquecimento
e do perdão se encarregam
de apagar.
Porém quando nos faz algo
grandioso, devemos gravar na
pedra da memória e do coração;
onde vento nenhum do mundo
poderá apagar...


Quando li esse texto, lembrei-me 
daquela parte da “Oração Modelo”   
ensinada pelo Mestre dos mestres;
o "SENHOR JESUS CRISTO":

E perdoa-nos as nossas dívidas,
assim como nós perdoamos
aos nossos devedores"  (Mateus 6.12).

Que os ensinos Dele, saiam da (apenas)
agradável teoria e sejam aplicados,
de verdade, no seu dia a dia!   
Que ELE  abençoe você!

Pastor Renato Moura.