quinta-feira, 25 de março de 2010

ALFREDO REIKDAL - O pastor Alfredo Reikdal deixou-nos um importantíssimo legado: o extremo cuidado com as coisas de Deus.




O PASTOR ALFREDO EMÍLIO REIKDAL partiu para estar com o Senhor.
Homem integro, de tirocínio amplo e de uma incomum tenacidade no servir a Cristo.   
Deixou-nos a marca de extremo cuidado no tratamento com a igreja e seus pertences, e um legado mais de cento e vinte mil membros na Assembleia de Deus – Ministério Ipiranga.
Faleceu no dia 23 de março de. 2010, aos 94 anos de idade. E provocou grande comoção entre todos os que o conheciam, no Brasil e no exterior.

O corpo do honrado príncipe do exército do Senhor, foi sepultado no Cemitério da Paz, no bairro Morumbi, em São Paulo – SP. E de lá, aguardará o ressurgimento  na primeira ressurreição, a qual se dará na iminente volta do SENHOR JESUS CRISTO. Sendo que, a sua alma já se encontra nas regiões celestiais, participando dos méritos dos que herdam a vida eterna (Lucas 16.22).

Porque o mesmo Senhor descerá do céu com alarido, e com voz de arcanjo, e com a trombeta de Deus; e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro.  Depois nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares, e assim estaremos sempre com o Senhor (I Tessalonicenses 4.16,17).

O Pastor ALFREDO REIKDAL era o pastor presidente vitalício da Igreja Evangélica Assembléia de Deus - Ministério do Ipiranga, igreja que pastoreou por 67 anos, e presidente da COMOESPO - Convenção dos ministros Ortodoxos das Assembleias de Deus no Estado de São Paulo e outros.

O Pastor ALFREDO REIKDAL foi fundador do Instituto Betel; do SETAD - Seminário Teológio das Assembleias de Deus no Ipiranga, além de outras instituições de ensino e assistência. Também fundador e diretor presidente em diversas gestões da COMADESPE - Convenção dos Ministros das Assembleias de Deus no Estado de São Paulo e outros . Em 1996, solicitou desligamento para fundação da COMOESPO, que orienta os Ministério da Assembleia de Deus no Ipiranga e outros a ele agregados.


Pr. Renato Moura.

Leia também: 
Histórico da Assembleia de Deus - Ministério no Ipiranga
Clique aqui: HISTÓRICO


sábado, 6 de março de 2010

MANIFESTO CONTRA A BÍBLIA DAKE - A Bíblia Sagrada com os seus 66 livros continua sendo, para nós evangélicos, uma só. As verdades nela contidas proporcionam condições para que qualquer pessoa possa se voltar a Deus e reconhecê-lo como Senhor e Pai.


MANIFESTO CONTRA A BÍBLIA DAKE

A Bíblia Sagrada com os seus 66 livros continua sendo, para nós evangélicos, uma só.
As verdades nela contidas proporcionam condições para que qualquer pessoa possa se voltar a Deus e reconhecê-lo como Senhor e Pai. Ela se mantém com mesma objetividade transformadora com a qual, sempre se mostrou e foi capaz.
Suas mensagens, desde o livro do Gênesis ao livro do Apocalipse, apontam para Jesus Cristo, e enfatizam ser Ele o único Salvador da raça humana.
Todos os que pretendem chegar mais perto de Deus precisam ler a Bíblia. Só ela traz os princípios que norteiam a sensibilidade espiritual, e se compatibiliza perfeitamente com métodos científicos, proporcionando, muitas vezes, direção à chamada ciência, antes mesmo de que ela pudesse por à prova um fato.
Sem invalidar os parâmetros epistemológicos, a Bíblia foi, permanece, e continuará sendo a “Palavra de Deus”.

O primeiro livro impresso no mundo foi a Bíblia. Os méritos da invenção da imprensa é do alemão Johannes Genfleisch Gutemberg;  em 1455 ele imprimiu 200 Bíblias tipograficamente.
Em todo o tempo existiram livros que pretendiam promover ajuda na interpretação dos textos sagrados. Essas publicações eram autônomas, isto é, eram oferecidas em forma de volumes separados da Bíblia. Assim sendo, dava ao leitor a liberdade de aceitar ou não aquelas explanações. Ocorre que, de algumas décadas para cá, tem surgido no mercado editorial as chamadas “Bíblias Explicativas” ou "Bíblias de Estudo" . Essas tais apresentam a mensagem como ela é; porém, nas margens inferiores, lateral direita, lateral esquerda e até na margem superior, são fixadas notas explicativas que condicionam o leitor a assumir a direção que agentes contemporâneos querem dar.
Na realidade esses autores e editores tiram a verdadeira liberdade que a Bíblia Sagrada preconiza e proclama: Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres (João 8.36).

Sou plenamente a favor dos livros teológicos, manuais, dicionários, concordâncias, enciclopédias, tratados, dissertações, etc. Porém, o que temos presenciado é um crescente e assombroso embargo ao direito do “livre pensar” de cada um. Ainda mais quando passam despercebidos os adicionais heréticos que comprometem a essência da “Palavra”.

Não me conformando com as alarmantes incoerências numa dessas Bíblias, no caso a “Bíblia Dake”. E, diante do crescente movimento de indignação às heresias ali acrescentadas, venho me solidarizar com os pregoeiros da justiça que repulsam essa nefasta publicação em nosso país.

Por assumir tal posição, e com muita responsabilidade transcrevo o texto abaixo,

Pastor Renato Moura.


ORGÃOS DA CGADB MANTÉM VETO  À BIBLIA DAKE

terça-feira, 2 de março de 2010

Conforme publicou o blog Point Rhema, do pastor Carlos Roberto, o Conselho de Doutrina e a Comissão de Apologética da CGADB, reunidos na última sexta-feira, dia 26 de fevereiro, em Campinas, SP, mantiveram os termos da primeira resolução, reiterando que a CPAD suspenda as vendas da Bíblia Dake e recolha os exemplares aìnda disponíveis em suas livrarias.
Não se esperava outra postura de ambos os órgãos. Louvável a manutenção do veto, visto que tais resoluções, estatutariamente, não são meros pareceres, mas decisões a serem acatadas, conforme o mesmo estatuto, por seu caráter deliberativo.
É de lamentar-se que a primeira resolução não tenha sido considerada em sua decisão, visto que a CPAD insistiu em continuar vendendo o "produto" e trazer uma segunda edição aos respectivos órgãos com os cortes das "incongruências" que passaram na "primeira peneira", sem atinar para o que deliberava o documento: a suspensão das vendas.
Segundo se soube, numa primeira e rápida passada de olhos feita na reunião (talvez, o pastor Carlos Roberto possa confirmar o fato) foram encontradas novamente três ou quatro "incongruências" que acabaram passando pela "segunda peneira", o que comprova a menção feita no blog O Balido, do Judson Canto, do que já fora afirmado na primeira resolução: "Trata-se de um pensamento que norteia todo o texto, não se tratando de casos isolados".
Por outro lado, a necessidade de os órgãos da CGADB já mencionados se reunirem uma segunda vez para tratar do mesmo assunto e reiterar a mesma posição, em virtude do não acatamento da CPAD, trouxe profundo desgaste institucional e, infelizmente, deixou a imagem dos que a dirigem seriamente arranhada.
Para concluir, é de esperar-se que não se repita a mesma "ladainha", numa nova tentativa de mudar a decisão, mas haja o cumprimento cabal da resolução para que, com o tempo, a credibilidade da direção da Casa seja restaurada.
É por isso que estamos orando.